CAMPO HARMONICO CAVAQUINHO PDF

CAMPO HARMONICO CAVAQUINHO PDF

12 ago. Aula 3 Cavaquinho Campo Harmônico de Re Maior Tom Matos. AULA DE MÚSICA-TOM Matos. Loading Unsubscribe from AULA DE. 12 ago. Aula8 Cavaquinho Campo Harmônico de Sol Menor Tom Matos. AULA DE MÚSICA-TOM Matos. Loading Unsubscribe from AULA DE. 12 ago. Aula 3 Cavaquinho Campo Harmônico de Re Menor Tom Matos. AULA DE MÚSICA-TOM Matos. Loading Unsubscribe from AULA DE.

Author: Daibar Malajin
Country: Colombia
Language: English (Spanish)
Genre: Relationship
Published (Last): 25 June 2018
Pages: 426
PDF File Size: 15.83 Mb
ePub File Size: 4.96 Mb
ISBN: 839-2-87933-601-7
Downloads: 51913
Price: Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader: Mikall

Skip to main content. Log In Sign Up. Manifesto ainda o meu reconhecimento e gratidao ao Mestre da Violaria Portuguesa, o Sr. Por fim, um apreco de harmonido a todos os meus familiares e amigos, que sempre me harmojico e apoiaram, sendo decisivos cavaquinhl concretizacao deste trabalho.

Luis Pedro Ribeiro Castela i A Guitarra Portuguesa e a Cangao de Coimbra “Subsidios para o seu estudo e contextualizagao” Resumo Resumo O desenvolvimento da Guitarra Portuguesa advem de uma serie de condicoes intnnsecas ao seu aparecimento, o que torna a sua investigacao mais diffcil, tendo em conta a epoca a que remonta. Este estudo aprofunda o reconhecimento historico e social de onde a Guitarra surge, atraves de diversos testemunhos, documentos e outros exemplos elucidativos para o seu entendimento.

Sendo o Fado, o genero musical mais associado a este instrumento, foi ainda exposto no presente trabalho, de forma sucinta o seu surgimento em Portugal, com especial atencao ao caso de Coimbra. Tambem os aparecimentos de outros cordofones derivados da Guitarra Portuguesa podem ser entendidos atraves da vasta documentacao exposta neste trabalho, como no caso dos Guitarroes ou ainda do mais recente trabalho da violaria nacional, o Guitolao.

Luis Pedro Ribeiro Castela ii A Guitarra Portuguesa e a Cancao de Coimbra Subsidios para o seu estudo e contextualizacao Abstract Abstract The development of the Portuguese guitar comes from a series of conditions intrinsic to its appearance, which makes the research more difficult, cavaquibho the period that dates back. This study cavaqiinho the social and historical recognition of where the guitar comes through various testimonies, documents, and other clear examples for your understanding.

As the Fado, the music genre most associated with this instrument, was also exposed in this work, briefly its appearance in Portugal, with special attention to the Coimbra’s case. Also the appearances of other stringed instruments derived from the Portuguese Guitar can be understood through extensive documentation presented in this paper, as in the case of Guitarroes or the latest work from the national luthiers, the Guitolao.

Na Regia Officina Typografica. Sabbado 29 d’Outubro de Fig. Da esquerda para a direita: Acredito que a Guitarra Portuguesa surge enquanto evolucao de instrumentos caractensticos Portugueses existentes desde o Renascimento, e que embora possa ter tido influencias da Guitarra Inglesa, o seu aparecimento nao tera partido desta, tendo ainda o seu cavaquunho desenvolvimento nascido na segunda decada do seculo XX, a partir do modelo coimbrao.

Este estudo de natureza historico-musicologica, nao prescindiu de inumeras contributes de analises, realizadas ao longo dos tempos, por diversos autores nacionais e internacionais.

Por diversas vezes, nao foi so a perspectiva musicologica o factor mais importante na obtencao dos dados susceptfveis a determinadas conclusoes, pois tambem outros harmomico de indole diferente, nomeadamente de cariz historica, economica, sociologica e geografica estabeleceram a abertura de novas formulacoes e hipoteses.

Quanto cavaquingo fontes primarias utilizadas neste trabalho, manuscritas e impressas enumeradas na bibliografia csmpoelas conservam-se, na sua grande maioria, no Arquivo da Universidade e na Biblioteca Geral da Universidade. A tematica deste trabalho de investigacao incidiu sobre a evolucao da Guitarra Portuguesa, partindo das diversas formulacoes ja existentes relativas a sua origem, de forma a poder desmistificar algumas das teorias aceites no meio musical e musicologico. Assim, partindo de diversos documentos adormecidos pelo passar do tempo e escondidos em diversos arquivos, procurei compreender a historia da guitarra portuguesa.

Para um melhor entendimento do meio em que a Guitarra surge, pareceu-me ser importante realizar primeiramente um enquadramento de caracter historico e sociologico, de forma a criar uma visao retrospectiva e sumaria dos principals aspectos da presenca musical no pais e em especial na cidade de Coimbra.

Sendo este o desfgnio do primeiro capitulo, o encontro com o aparecimento do Fado foi substancialmente Luis Pedro Ribeiro Castela 1 A Guitarra Portuguesa e a Cangao de Coimbra Subsidios para o seu estudo e contextualizagao Capitulo 1 privilegiado, tendo em conta ser este um dos generos yarmonico em que a Guitarra Portuguesa aparece.

Pareceu-me igualmente importante desmistificar a problematica associacao do Fado a Academia de Coimbra, desde finais fampo seculo XIX. A demonstracao da reduzida quantidade e qualidade de formulacoes inerentes a este contingente por diversos autores foi impossfvel de nao realgar, tendo em conta a importante identificacao do aparecimento da Guitarra Portuguesa de Coimbra no seio do filao popular da Cancao de Coimbra. No segundo capitulo, debati-me com a problematica origem da Guitarra Portuguesa, sendo o objectivo referir as varias hipoteses existentes assim como os seus principals alicerces fundamentadores.

Partindo da identificacao historico-organologica da Guitarra Inglesa, com o intuito de identificar a datacao exacta da entrada deste cordofone em terras lusitanas, seria posteriormente possfvel identificar todos os documentos que referiam o termo Guitarra, como sendo o nosso conterraneo. Tendo por isso realizado uma vasta investigacao de campo de forma a recolher o maior numero de informacoes de caracter organologico, susceptfvel de realizar um estudo cruzado e comparative, para definir a natureza e verdadeira origem deste cordofone.

Com o terceiro capitulo, foi meu objectivo demonstrar que no inicio do seculo XXI, a forma como a abertura para novas reformulacoes deste cordofone, e tendo em conta as diversas alteracoes sociais apos dois seculos da sua existencia poderao ser a forma de alcancar uma maior variedade e inovacao musical. Partindo na busca da sua proveniencia formuladora e na identificacao dos seus antecessores, procurei demonstrar que o Guitolao surge de uma ideia antiga, mas que floresce em novos generos musicais.

Incluf em anexo documental, diversos documentos, partituras e fichas organologicas de diversos cordofones que considerei ser material importante de suporte desta dissertacao. Com o intuito de realizar um trabalho forcosamente sintetico, em relacao aos objectivos a que me propus, estou ciente que esta nao e mais do que um Luis Pedro Ribeiro Castela 2 A Guitarra Portuguesa e a Cangao de Coimbra Subsidios para o seu estudo e contextualizagao Capitulo 1 pequeno contributo que, espero, permita abrir novas pistas e linhas de pensamento ou reflexao, que permita enaltecer nao so o panorama musical de Coimbra, como tambem a historia de um dos sfmbolos mais identificadores do nosso pais, a Guitarra Portuguesa.

  HERO ALETHEA KONTIS PDF

O Fado A origem do Fado, enquanto genero musical portugues, e de diffcil localizacao temporal e geografica. Muitas sao as teorias, algumas baseadas em provas factuais e consequentes ilacoes, outras apenas da intuicao desenvolvida por alguns testemunhos vivos da epoca que remontam ao seu aparecimento.

Assim, varios nomes ligados a musicologia foram desenvolvendo varias hipoteses para o seu eventual surgimento. Alguns autores, como o caso de Teofilo Braga1, referem que tera nascido a partir dos canticos do povo muculmano, marcadamente dolentes e melancolicos. Outras teorias, como as de Pinto de Carvalho2, apontam para a origem do fado no Lundum, musica dos escravos brasileiros que teria chegado ate nos atraves dos marinheiros, porvolta de Outra hipotese, defendida por autores como Barreto Mascarenhas3, remonta aos tempos dos trovadores medievais, cujas cancoes contem caractensticas que o Fado conserva, defendendo que as cantigas de amigo revelam semelhancas com alguns temas recorrentes do Fado de Lisboa, assim como as cantigas de amor possuem a aurea romantica do apelidado “Fado de Coimbra”4, ou ainda a cntica polftica e social tao tfpica do Fado que remonta as cantigas de escarnio e maldizer.

Porem, no meu entender, todas estas hipoteses sao frageis nao tendo sido apresentada uma fundamentacao cientffica relevante para qualquer uma delas. Luis Pedro Ribeiro Cavaaquinho 5 A Guitarra Portuguesa e a Cangao de Coimbra Subsidios para o seu estudo e contextualizagao Capitulo 1 “O Cavaquinbo nasceu um dia, quando o vento mat bulla e o ceu o mar prolongava, na amurada dum veleiro, no peito dum marinheiro que, estando triste, cantava Entende-se que Lisboa no seculo XIX foi um local de grandes transformacoes a nfvel social.

A antiga nobreza do pais vai comecar a perder os seus cargos dirigentes do Estado, assim como a sustentacao economica apoiada nos seus vmculos feudais e favaquinho beneffcios fiscais da Corte. Ao mesmo harmonick que a nobreza se vai desmoronando, na sua importancia economica e social, ascende uma outra classe social: Esta ascensao ao poder deve-se a varios factores, que passam desde as revolucoes polfticas lideradas pelos liberais, pelo forte investimento que esta classe tern no comercio incluindo o xavaquinho colonialna nova industria moderna, e ainda na compra dos antigos bens eclesiasticos.

Esta nova elite social vai rapidamente acabar por se interessar pelo sector artfstico, como forma de enaltecimento da sua importancia nos meios sociais. A imagem das grandes capitais europeias, Lisboa, ira ter uma forte evolucao na imprensa periodica, nos Teatros e em quase todos os sectores culturais e artfsticos, reflectindo o florescimento de uma nova sociedade urbana. Aliado ao crescimento da “Nova Burguesia”, aparece tambem, uma nova forca urbana na sociedade: Devido a um grande exodo rural para a cidade, aparecem novos postos profissionais, tfpicas do pequeno comercio, aparecendo as casas de pasto, as tabernas, as actividades cammpo, portuarias e de transportes, tal como as vendas harmonio de diversos produtos alimentares ou artesanais pelas ruas e feiras da cidade.

Este aumento populacional repentino vai reflectir-se, assim como nas grandes cidades da Europa, no crescimento nao planeado de varios bairros pobres. Sera neste contexto, de miseria e luta pela sobrevivencia, que esta parte da populacao vai tomar conta do trabalho que nao requer qualquer tipo de qualificacao ou formacao educacional ou profissional. Arquivo Municipal de Lisboa – A A historia desta gravura, descrita mais abaixo pelo Visconde Julio Castilho, ilustra socialmente como seria a Lisboa daquele tempo.

Assim, entende-se que existiria uma economia paralela, 6 Para mais informagoes sobre este assunto ver, por exemplo: Diccionario geographico abreviado de Portugal e suas possessdes ultramarinas, Porto, Casa de viuva More, Blog Dias que Voam Http: Lisboa antiga O Bairro AltoLisboa, reeditado em Luis Pedro Ribeiro Castela 7 A Guitarra Portuguesa e a Cangao de Coimbra Subsidios para o seu estudo camo contextualizagao Capitulo 1 baseada no jogo clandestine, no contrabando, no roubo ou na cavaquuinho.

Sera neste universo marginal, que a ilegalidade oriunda da sociedade mais pobre se vai encontrar em espacos urbanos como os bordeis ou as tabernas. Estes seriam os locais onde a classe trabalhadora assalariada e os marginais se estabeleciam nas suas horas de lazer, criando um ambiente boemio de diversao, onde as cancoes e dancas populares seriam uma pratica regular.

cavaquijho

Comfortably Numb

Estes locais, comecam a ser apelidados de “casas de fado”, expressao que advem do significado harmonuco palavra “fado”, querendo esta dizer destino ou sina, assim como o termo “mulher do fado”, significaria “mulher da vida”.

Este verso, que remonta ao ano dee bastante expressivo sobre a vida boemia harmoinco existiria na epoca, mas explica tambem a definicao do termo “fadista”9, enquanto designacao para definir as prostitutas assim como a denominacao dos bordeis como a entidade “Casas de Fado”. Atraves de outros depoimentos, como por exemplo de Miguel Queriol10, relativo ao ano de cavaaquinho, nestas “Casas de Fado” existia musica cantada pelas “fadistas” de ritmos dancantes acompanhados pelo som da viola ou “banza” segundo Rui Vieira Nery este seria um termo pejorativo para designar “qualquer instrumento de corda dedilhada de origem africana” n, porem este termo e tambem referido para identificar a viola toeira ou a viola de arame, apelidado de “banza dos Retirado dos Queixumes das pequenas, a vista da proximo mudanga.

Historia do fado, Publicacoes D.

Acordes de Cavaquinho – Aula Grátis

Historia do fado, Editorial Maxtor, camp, p. Eduardo ou os misterios do Limoeiro, Lisboa, Typ. Ideia que penso ter sido retirada inicialmente do livro: Luis Pedro Ribeiro Castela 8 A Guitarra Portuguesa e a Cancao de Coimbra Subsidios para o seu estudo e contextualizacao Capitulo 1 estudantes”, sendo exfmios tocadores deste instrumento: Jose Doria ou ainda Joao de Deus. E neste contexto que aparecem as mfticas figuras das “fadistas” Maria Severa14, Carlota Scarniccia, Custodia Maria, entre outros fcones representantes do fado lisboeta do seculo XIX, que continham fortes ritmos de danca e sapateado, e cantares de caracter lamentoso e melancolico, acompanhados pelas guitarras da epoca Se aliarmos todos estes ritmos musicais que existiam em Lisboa, pelo menos desdeao forte exodo rural para as cidades que existiu no seculo XIX, podemos facilmente perceber que o Fado aparece de uma fusao natural de varios generos musicais populares trazidos dos varios pontos do pais, resultando numa “mixordia” musical que teve a sua evolucao e enaltecimento no seculo XX, levado a cabo por diversos Sobre este assunto ver, por exemplo: As modernas ideias na litteratura portugueza, E.

  AP34063 DATASHEET PDF

Luis Pedro Ribeiro Castela 9 A Guitarra Portuguesa e a Cangao de Coimbra Subsidios para o seu estudo e contextualizagao Capitulo 1 compositores, cantores e guitarristas, elevando a qualidade musical de forma a sensibilizar todo um pais, que acabaria por se render a este novo genero musical. E, por exemplo, no cavaquinhp capitulo “Lisboa velha, Lisboa nova” do livro Lisboa Galante, de Fialho de Almeidaque se pode entender as transformacoes que a capital haromnico, a partir da segunda metade do seculo XIX, com a incrementacao da sua populacao: Joao VI, e campi Beckford a aguarelou nas suas Memorias.

Cidade defrade, betas e desembargadores, soturna de noite, Lisboa sentira a necessidade de outras ruas, outros estilos, outros interiores: E ei-la transbordando dos acumulado lugubres dos velhos bairros, Alfama, Mouraria e Estrela; partindo a cintura de muralhas num 17 charivari de construcoes podres de chic.

Assim, a musica das ruas ira igualmente sofrer essas alteracoes, procurando novos espacos, ocasioes e lugares. Luis Pedro Ribeiro Castela 10 A Guitarra Cavaquinhp e a Cangao de Coimbra Subsidios para o seu estudo e contextualizagao Capitulo 1 regularmente, registos de cantadores e guitarristas a apresentarem-se perante as harmonioc mais altas da sociedade.

Exemplo disso e o facto de existirem igualmente relatos destas sessoes aristocraticas, para se ouvir cantar o Fado, nos palacios do Conde da Anadia, do Marques de Belas ou do Marques de Castelo Melhor Tendo em conta que estes seroes cavaquunho eram igualmente presenciados por fidalgos idosos e elementos femininos, tinha de existir hagmonico condicionantes relativamente a apresentacao dos artistas convidados, tais como as escolhas antecipadas das letras e a previa censurada cavaqunho improvisacoes satfricas forte caractenstica deste genero, viso o ambiente do qual provemimpedindo a demonstracao da verdadeira essencia que o Fado continha inicialmente cantado nos ambientes pandegos.

Isto e, a nova burguesia estava em clara expansao contendo cargos na Administracao Publica, no comercio e na industria. Assim, a necessidade que eles tinham de se entreter e divertir, aliadas a um maior forca economica, resulta nesta apetencia de um novo genero musical, que nao exigia grande qualidade auditiva musical ou educacao, e que ao mesmo tempo conseguia divertir o publico.

Conforme, o investigador Francisco Rebello, tera sido na noite de 11 de Janeiro de que “nasceu a revista portuguesa” com o aparecimento da primeira Revista do Ano: Lisboa emapresentada no Teatro cavaqujnho Ginasio, da autoria dos dramaturgos Fernando Palha e Latino Coelho A Google atraves da Universidade da California disponibiliza uma versao digital deste exemplar, possfvel de consultar livremente no site da Internet Archive: Tambem nesta altura, aparecem os primeiros estudantes fadistas, igualmente frequentadores da vida boemia citadina.

Sera do ensino superior em Lisboa, sendo as suas principals escolas a Politecnica e a do Exercito, que aparece Luiz d’Almeida Mello e Castroque por volta de comecou a compor diversas pecas para guitarra e versos para serem cantados, tornando-se um dos mais ilustres e celebres estudantes fadistas da harmnico epoca.

Os estudantes que iam para Coimbra estudar cavaauinho eram aceites alunos hramonico sexo masculino eram provenientes das principals elites da sociedade portuguesa ou europeia, assunto este que irei aprofundar mais a frente numa analise mais cuidada, para que fique clara o caso especffico da existencia do Fado em Coimbra. Pois, sera importante estabelecer a ligacao da evolucao organologica da actual guitarra portuguesa, com o caso especffico da Cancao de Coimbra, de que ela surgira.

Francisco Faria 24, Afonso hzrmonico Sousa 25, Carlos Caiado 26, Anjos de Carvalho 27, Virgflio Caseiro 28, entre muitos outros que tern vindo ao longo dos tempos a procurar diversas hipoteses relativas as suas origens. Foi atraves da recolha de diversos documentos e ainda das anotacoes e observacoes retiradas de harmonjco com diversas personalidades e Estas edicoes eram concebidas com o objectivo campl serem as mais baratas possfveis, de forma a serem reproduzidas em grande escala para que o proletariado as pudesse comprar, fazendo relembrar o teatro de cordel e das pequenas gazetas literarias do seculo XVIII.

Havia, ainda, outro genero de publicacoes, destinadas a um publico mais rico, e inclufam: Fado de Coimbra ou Serenata Coimbra? Do choupal ate a Lapa: O Orfeon Academico de Coimbra desde Jorge Gomes, que baseie a realizacao desta cavaquinhho em torno da questao do aparecimento deste genero musical, onde se cavaquihno que o rigor e a imparcialidade prevalecessem acima de qualquer outro aspecto. E constante a referenda do nome de Jose Doria 29, ligada ao nascimento do narmonico “Fado de Coimbra”, porem penso que numa analise mais cuidada encontramos algumas referencias musicais, que me parecem dignas de registo, em relacao a este aspecto e que comprovam existir uma musica academica dos estudantes, canpo a qualquer influencia musical lisboeta ou oriunda de outros lugares do nosso pais.

No ambito de poder provar que a Academia da cidade era um lugar onde a musica era de outra natureza, nao pertencente ao Fado tendo em conta que este aparece por volta de e que tera surgido em Coimbra depois decomo fazem crer diversos autores30temos por exemplo, no ano deo conhecimento de ter sido cantado hsrmonico primeira vez o hino academico de Cristiano O’Neil de Medeiros musica e de Jose Augusto Sanches da Gama letra